sexta-feira, 22 de maio de 2009

Ronaldinho, O Pensador

Nos idos da década de 90 (Colorado que é Colorado jamais esquecerá dessa década!), estava eu no banco traseiro do Fusca Azul 81 do meu pai (ou no amarelo que ele teve antes...) e ouvi uma música que fisgou a minha atenção: “esse é o retrato, da nossa juventude / seja o playboy da maconha ou o playboy da saudade / se cuidarmos assim, do futuro do Brasil / vamos levar esse país para puta que o pariu” e o som de uma descarga encerrava a canção. E eu PRECISAVA saber quem era aquele cara no minuto seguinte!

Uma amiga tinha o vinil de capa branca e verde, com a famosa estátua do “Pensador” de boné! E um cara barbudo, cabeludo e de casaco preto com capuz até o olho na contracapa! Só os nomes das músicas já me fizeram ler as letras ANTES de ouvir os outros sons (além das que eu já tinha ouvido no rádio): Lôrabúrra, Retrato de um Playboy, Esperanduquê, Lavagem Cerebral, Abalando, 175 Nada Especial, Hoje eu tô feliz (Matei o presidente), E Você?, Indecência Militar, O Resto do Mundo... Uma paulada atrás da outra, sem dó, sem poupar ninguém, metralhadora giratória atirando pra todos os lados!

Claro que eu era novo e facilmente impressionável pela mensagem crítica das músicas, e até aquele momento de vida não tinha nenhum contato com o Rap. Fui criado ouvindo Rock, e aquela nova linguagem me fez abrir o pensamento para outras possibilidades sonoras. Resumindo: achei o melhor disco brasileiro de todos os tempos! E mesmo depois de mais de 10 anos eu sigo dizendo: um dos melhores de todos os tempos na música brasileira! Crítico, vigoroso, cínico, irônico, mal educado, sem medo. Não era assim a MPB que todo mundo louva até hoje? Pois então!

Dois anos depois Gabriel, O Pensador, lançou “Ainda é só o começo” (que na realidade deveria se chamar “E Esse Já é o Fim”). Com bons momentos (FDP3, , Mentiras do Brasil, Tô Contigo e Não Abro, Filho da Pátria Iludido) ainda é uma obra relevante e mordaz, mas... Alguma coisa não cheirava bem no reino d'O Pensador... Mais dois anos e Quebra-Cabeça chega às lojas comprovando uma teoria aterradora: o Gabriel que agora bradava “2345meia78 / tá na hora de molhar o biscoito” nas rádios mais podres do Brasil não era o mesmo de 5 anos atrás, e sim UM SÓSIA! Isso mesmo, um IMPOSTOR que tomou o posto daquele cara que dizia estar muito satisfeito por enfiar uma bala no olho de Fernando Collor de Melo.

"Eu morri e nem sei mesmo qual foi aquele mês..."

Há uma teoria conspiratória muito engraçada que circula entre os fãs dos Beatles. O “estudo” sustenta a tese de que Paul McCartney faleceu em 1964 e que um sósia irlandês (ou escocês...) tomou seu lugar no baixo, vocais e composições dos Fab Fours (que na real eram feitas por George e John, sendo o sósia um mero figurante). A “evidência” mais clara seria a capa do Abbey Road, na qual “Paul” está de pés descalços, fumando e com roupa de defunto, além de ser o único dos quatro com o passo trocado. Sinistro!

Enfim. Essas histórias de substituição de um músico por um sósia foram só pra exemplificar um caso desses no futebol. E com um cara que despontava como “novo Maradona”, ou “Garrincha do século XXI”, ou ainda como ousou dizer Tostão antes da Copa de 2006, “um jogador no mesmo nível de Pelé”. Durante as temporadas em que esteve no Barcelona, Ronaldinho Gaúcho simplesmente esmirilhou a bola. Patrolou vários laterais direitos e zagueiros “Josés” naquela faixa esquerda do ataque barcelonista. Durante a Champions League 05/06 foi o “MVP” do Barça, carregando o time nas costas (vide vitórias sobre Chelsea e Milan). Mas aí veio a Copa da Alemanha e o início do fracasso. Em dezembro nova derrota: o mundo era vermelho e Ronaldinho não consegue mais tirar forças de seu futebol arrasador, e agora arrasado.

Após meses de ostracismo e lesões fictícias, o ressurgimento no time de Berlusconi e o fato inegável: o jaqueta 80 do clube de Milão NÃO É RONALDO DE ASSIS MOREIRA, e sim um IMPOSTOR, um SÓSIA. Este mesmo homem já havia se passado por Ronaldinho em vários jogos da seleção brasileira, mas agora assumiu a identidade do filho da Dona Miguelina em tempo integral. O São Paulo e Muricy querem repatriar e “devolver a alegria de jogar futebol” à Ronaldinho. Pobres tricolores. Mal sabem eles que tentam trazer o sósia, a cópia sem graça e canhestra de um jogador que tocou o Olimpo da bola para depois desaparecer diante de nossos olhos. Acho que assim como Gabriel, O Pensador, Ronaldinho foi assassinado. Eram bons demais para serem reais.

Tô enganando direitinho?

7 comentários:

Mau Haas disse...

Esso texto Davidicoimbra foi o melhor do Grenalzito até agora.

Bom e real.

Marimon - arenavermelha.blogspot.com disse...

Show de bola Felipe...

Metrô, linha 743!

Marco disse...

pois é, e o enterro do Paul McCartney está retratado na capa de Sgt. Peppers!

quanto ao Ronaldinho, ele não é o único impostor nao... é só prestar atenção e verás... :D

Saudações coloradas!

Marco.

JefConti disse...

Concordo com o Mau texto parecido com os do David, acho que o que fez desaparecer o Gabriel e o Ronaldo foi a grana e a fama.

sandrogalarca disse...

Bah

O post ficou perfeito, nem David Coimbra faria melhor...

Abraço

Felipe Conti disse...

Pô Mestre, assim eu me emociono Tchê!!! hahahahaha

Valeu!

Neti disse...

Lipe , lendo teu texto deu saudade .. de tudo entende ... e a pergunta fica , porque alguns genios sempre se perdem ,ou perdem seus valores ??? somos nós os culpados ??? Depositamos neles algo de que muitas vezes não são capazes de suportar ... mas assim mesmo dá muita saudade !!! bjão mãe