terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Estatísticas finais - Grêmio 2009


Natalzito já Elvis e antes que 2009 tome o mesmo rumo, vamos passar a régua nos números gremistas do ano do perde-ganha-danado.

Juntando Gauchão, Libertadores e Brasileirão foram 69 jogos, 32 vitórias, 17 empates e 20 derrotas.

O aproveitamento do ano fica em 54,58%.

Souza, pelos números, foi o grande destaque: vice-artilheiro e rei das assistências.

Jonas foi o artilheiro do ano, com 24 gols marcados.

Maxi, que pelo jeito vai embora, fez 16 gols na temporada, algo raro em sua carreira. Se for... melhor não escrever.

Aos números:

69 jogos


32 vitórias - Grêmio 5 x 0 Esportivo; Novo Hamburgo 1 x 5 Grêmio; Grêmio 2 x 0 Juventude; Avenida 1 x 2 Grêmio; Grêmio 3 x 0 Brasil de Pelotas; Grêmio 2 x 0 Juventude; Grêmio 1 x 0 Veranópolis; Sapucaiense 0 x 2 Grêmio; Grêmio 6 x 1 São José; Grêmio 2 x 0 São Luís; San Martín 1 x 3 Grêmio; Grêmio 2 x 0 San Martín; Boyacá Chicó 0 x 1 Grêmio; Aurora 1 x 2 Grêmio; Grêmio 3 x 0 Aurora; Universidad de Chile 0 x 2 Grêmio; Grêmio 3 x 0 Boyacá Chicó; Grêmio 2 x 0 Botafogo; Grêmio 3 x 0 Náutico; Grêmio 4 x 1 Atlético-PR; Grêmio 3 x 0 Corinthians; Grêmio 2 x 1 Inter; Grêmio 3 x 2 Santo André; Grêmio 4 x 1 Cruzeiro; Grêmio 4 x 1 Flamengo; Grêmio 4 x 1 Atlético-MG; Náutico 0 x 2 Grêmio; Grêmio 5 x 1 Fluminense; Grêmio 2 x 0 Coritiba; Grêmio 3 x 1 Avaí; Grêmio 2 x 0 Palmeiras; Grêmio 4 x 2 Barueri

17 empates - Inter de Santa Maria 1 x 1 Grêmio; Grêmio 1 x 1 Ypiranga; Ulbra 1 x 1 Grêmio; Caracas 0 x 0 Grêmio; Grêmio 1 x 1 Caracas; Grêmio 2 x 2 Cruzeiro; Grêmio 0 x 0 Universidad de Chile; Grêmio 1 x 1 Santos; Fluminense 0 x 0 Grêmio; Grêmio 2 x 2 Goiás; Palmeiras 1 x 1 Grêmio; Botafogo 3 x 3 Grêmio; Grêmio 1 x 1 Vitória; Grêmio 3 x 3 Sport; Atlético-PR 0 x 0 Grêmio; Grêmio 1 x 1 São Paulo; Cruzeiro 1 x 1 Grêmio

20 derrotas - Veranópolis 3 x 1 Grêmio; Grêmio 1 x 2 Inter; Inter 2 x 1 Grêmio; Santa Cruz 3 x 2 Grêmio; Caxias 4 x 0 Grêmio; Inter 2 x 1 Grêmio; Cruzeiro 3 x 1 Grêmio; Atlético-MG 2 x 1 Grêmio; Vitória 1 x 0 Grêmio; Sport 3 x 1 Grêmio; Coritiba 2 x 1 Grêmio; Avaí 1 x 0 Grêmio; São Paulo 2 x 1 Grêmio; Barueri 1 x 0 Grêmio; Santos 1 x 0 Grêmio; Goiás 2 x 1 Grêmio; Corinthians 2 x 1 Grêmio; Inter 1 x 0 Grêmio; Santo André 2 x 0 Grêmio; Flamengo 2 x 1 Grêmio

Gols (126 pró/76 contra)
Jonas - 24
Souza - 22
Maxi - 16
Tcheco - 11
Réver - 7
Herrera - 7
Rafael Marques - 7
Alex Mineiro - 5
Léo - 4
Makelele - 4
Fabio Santos - 3
Ruy - 3
Reynaldo - 3
Perea - 3
Orteman – 1
Douglas Costa - 1
Adilson – 1
Roberson - 1
Contra a favor – 2 (Flu), 1 (Sport)

Assistências
Souza - 15
Tcheco - 12
Fabio Santos - 7
Maxi - 6
Alex Mineiro - 6
Jadilson - 5
Herrera - 5
Ruy - 4
Douglas Costa – 3
Adilson - 2
Jonas - 2
Perea - 1
Joilson - 1
Mário Fernandes - 1
Léo - 1
Makelele - 1
Hélder - 1
Reynaldo - 1
Róberson – 1
Rochemback - 1

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Mil e noventa e cinco dias

E faz três anos...


No próximo sábado às 14 horas, Verón e seus asseclas de La Plata tentarão o mesmo feito que o Inter conseguiu em 2006: derrubar o temido e reverenciado Barcelona, após uma grande atuação dos bascos diante dos chicanos. Assim como naquele dezembro no Japão.

O Inter ganhou do Al-Ahly por 2 a 1 (mesmo placar de Estudiantes e Pohang Steelers, o time que derrotou Felipão na Copa da Ásia) de maneira nervosa e com dois tentos de garotos criados na base rubra - Pato e Luiz Adriano. E o Barça enfiou 4 a 0 no América (nesta edição ganharam do Atlante por 3 a 1), com shows de Deco e Ronaldinho, El Gaucho.

Os dois jogos do Inter no mundial foram das coisas mais tensas da história da humanidade (para quem estava torcendo, lógico). Vendo os jogos das outras edições do Mundial FIFA depois de 2006, sempre aquelas lembranças voltam. E é uma sensação muito boa recordar do dia em que dominamos o mundo. E de quebra colocamos o MELHOR JOGADOR DO MUNDO à época para chorar.

O Estudiantes detém a mesma chance em seus pés. De não apenas vencer, mas de entrar para a história do futebol. Para sempre.

Hoje vou colocar meu DVD RIPADO com os jogos completos do Inter no Mundial (gravado pelo Coloradaço Sandro Lauri Galarça) no PC, e pela pentelhonésima vez, rever os momentos sensacionais daqueles dois jogos que entraram pra eternidade. E relembrar daquela manhã de domingo, que na verdade nunca chegou ao fim.

Obrigado Inter.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

El Gargamel!

Nosso novo comandante Jorge "El Gargamel" Fossati chegou. Que pensas do ex-goleiro e ex-treinador da LDU, algoz colorado na Recopa e do Fluminense na SulaMiranda '09?

Vota ali na enquete ao lado!

Nas imagens, uma comparação entre o Urugaio que comandará a casamata vermelha em 2010 e o vilão do "filminho" dos Smurfs!

Gargamel

Jorge Fossati

sábado, 12 de dezembro de 2009

Imortal

To arrepiado ainda, pode ter certeza. Parecia que eu tinha regressado 14 anos. Me senti com 10 anos, eufórico, entusiasmado com aquele Grêmio 95 que entrou em campo para uma peleiazinha na despedida do Danrlei neste sábado, dia 12 de dezembro de 2009.

Até a mecânica da equipe estava lá. Dinho ficava para Adilson - braçadeira de capitão - sair. Rivarola arrepiava qualquer bola que viesse contra o Grêmio. Goiano, discreto, eficiente. Carlos Miguel, toque redondo, no pé. Arce, uma flecha pela direita, sempre surpreendendo, dono da bola parada. Danrlei, fora de forma, mas heróico e amado, ovacionado, catimbeiro. Arilson se perdeu e não apareceu para a partida. Mas Roger estava lá, guardando posição, ajudando na retaguarda. E Dinho, cangaceiro, foiçador, copero, NÃO aliviou uma. De quebra, Paulo Nunes cruzou e Jardel meteu a cabeça na pelota pra estufar as redes. Que visão! Que miragem! Uma volta no tempo.

É como se eu pudesse voltar a dormir num berço. Sei lá, como se meus 10 anos de idade mal tivessem começado. Como se a vida toda ainda estivesse por ser trilhada. Não tinha nada. Nada além de Grêmio. Não tinha trabalho, não tinha mulher, não tinha jornalismo, não tinha preocupação. Tudo era Grêmio, tudo voltou a ser Grêmio com esta exibição inesquecível, memorável, daqueles 11 “côco roxo” que o destino tratou de colocar sob o manto tricolor. Cara, descobri nesta tarde que, se eu pudesse, se Deus quisesse, o mundo poderia ter acabado depois de 1995 e tudo seria perfeito.

Dá-lhe Grêmio! Aquele Grêmio!

Não é por nada que vivemos esperando a volta daquele estilo de jogo. Nada contra todos os outros que estiveram no Grêmio antes ou depois, mas é impossível a comparação.

Que este time se repita, se é que isto é possível. Só isso que eu desejo.

__________

Vale ressaltar que foi impressionante ver Tarcísio correndo MUITO no ataque do time Branco. Tarcísio, o mesmo do campeonato mundial de 83. Increíble!

Assim como foi fantástico o momento da saída de Mazaropi para a entrada de Victor. Dois MONUMENTOS do gol gremista, um que tatuou seu nome na história e outro que tem TODAS as chances de fazer o mesmo.

Lamentável a ausência de Arilson, uma das peças fundamentais, um gênio da bola, um lince, um jogador-bandido, ao melhor estilo Libertadores. Fez falta.

E, outro momento marcante da tarde foi a entrada e as vaias direcionadas para Assis, o irmão de Ronaldinho, ou o mestre daquele time de 89, que ergueu a primeira Copa do Brasil para o Grêmio, ou o cara que articulou a saída pela porta dos fundos de um dos maiores jogadores da história do futebol. Ele foi ESCANDALOSAMENTE vaiado. Talvez não fosse o caso, devido a festa. Mas muito torcedor viu seu prato frio da vingança sendo servido naquele momento. Inclusive eu.



Olha isso, magnata!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

De cara com Fernando Carvalho

"Não foi legal. Não faria de novo"

Fernando Carvalho, o maior presidente da história de 100 anos do Inter, esteve frente a frente comigo ontem à noite lá na aula da Perestroika.

O homem é um cartola, ostenta uma pose incrível, não dá ponto sem nó, não baixa a crista, não se apavora e, inegavelmente, tem as manhas de como se comanda um time de futebol.

“Tem que dar porrada. Quem não dá porrada, não ganha. O futebol é assim”, foi uma de suas frases.

Sobre as questões da semana, ele não disse quem vai ser o treinador, nem revelou a lista de reforços. No máximo, avisou que o Colorado terá um lateral-direito de ofício em 2010, já que Bolívar será zagueiro-zagueiro.

Carvalho também afirmou que Luxa não foi contratado porque queria três anos de contrato. E mais: Luxa não gostou de ouvir de Carvalho que, após todos os jogos, a direção se reúne com a comissão técnica para colocar as críticas na mesa.

Diz Carvalho, que Luxa respondeu assim:

- Eu não aceito críticas. E não abro mão de participar das contratações.

Aí, FC foi questionado das opções: Muricy e Fossati (da LDU). Só pra constar, na Gaúcha foi feito uma enquete com os dois nomes. Mais de 75% votaram em Fossati. Mas Carvalho disse que este tipo de pesquisa tem 0% de influência sobre a decisão.

Fora isso, tenho algumas outras curiosidades pra trazer:

Álvaro – FC disse que Álvaro estava passando da conta. Era balada demais, em dias “proibidos” pelo clube, e atraso para treinamentos. Por isso foi demitido.

Tite – Carvalho acha que Tite devia ter peitado D'Alessandro, Sorondo e Kléber. Não fez e perdeu comando. Ao mesmo tempo, o treinador foi muito elogiado pelo dirigente. “Tite é um dos melhores. Sua palestra tática é incrível”, disse.

Bolívar – Segundo FC, este é O CARA do vestiário. É ele quem comanda.

Mundial 2006 – Antes da aula, rolou um vídeo no telão com lances do Mundial vencido pelo Inter em 2006. Carvalho assistiu tudo com um sorriso estampado no rosto. Depois revelou:
“Eu queria o Vargas no time, no lugar do Pato. O Pato era muito novo, e de fato não jogou bem contra o Barcelona. E outra: nunca gostei do Fernandão no meio. Mas o Abel bancou, disse que jogaria com Pato e Iarley, e deu certo”, relembrou.

Volta à presidência - “Não tenho intenção de voltar. Dirigente tem que ter prazo de validade. Saio em julho ou dezembro de 2010”.

Gauchão 2010 - “Vamos priorizar a Libertadores, por isso jogaremos o Gauchão com o time B. Estamos preparando o time B desde junho deste ano. Usaremos os titulares apenas em ocasiões esporádicas, para treinar” – sobre o mesmo assunto, Carvalho elencou quatro jogadores que podem despontar desta equipe reserva: Ítalo, Léo, Vágner Silva e Josimar.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Vergonheira

Com tudo encerrado, vale a pena voltar na semana passada para comentar o quão ridículo foi ver gremistas gritando “Mengo, Mengo” e colorados entoando o nome do rival durante sete dias.

Ouvi o jogo do Inter contra o Sport, na penúltima rodada do Br09. Quando terminou a partida, 2 a 1 para o Inter, escutei pelos microfones da rádio Gaúcha os primeiros colorados gritando “Grêmio, Grêmio”. Achei lamentável.

Na mesma transmissão, segundos mais tarde, ouvi torcedores gremistas, dentro do Olímpico, gritando “Mengo, Mengo”. Depois teve escudo do Grêmio transformado em escudo do Flamengo, e vice-versa. Vergonheira!

Eu queria que o Inter não fosse campeão. O melhor, no meu íntimo gremismo, era ver o Inter empatar no Beira Rio com o Santo André e o Grêmio ganhar do Flamengo no Maraca. E o título fosse pra quem tivesse que ir.

Mas não gritei Mengo, não vesti camisa rubro-negra, não passei e-mail com os tais símbolos, nem propaguei a campanha “Entrega, entrega”. E vibrei quando o Grêmio abriu o marcador no Maracanã, assim como lamentei quando o Inter fez cada gol no Beira Rio.

Senti um alívio imenso quando o Flamengo virou e o Inter perdeu o título que foi seu durante 1 hora e 10 minutos. E acho que o Grêmio devia, como fez, aliviar pro lado dos cariocas para preservar a rivalidade, a história, a tradição, a instituição.

Veja bem: ALIVIAR.

Para o Grêmio, como clube, seria péssimo uma vitória do Inter neste Brasileirão. O Inter já terá um 2010 de muito mais expectativas, com chances boas de conquistar a Libertadores, quem sabe o Mundial. E se fizer isso, terá igualado o número de Libertadores que tem o Grêmio e passará o número de conquistas Mundiais.

Esse é o futuro mais terrível para qualquer gremista imaginar. Mas poderia ser pior se o Inter tivesse encerrado 2009 com o Tetra do Brasileirão. O tri está alcançável ao Tricolor. O Tetra livraria duas taças de vantagem, algo quase irrecuperável.

Por isso o Grêmio acertou em não jogar com toda força contra o Flamengo. E acertou em pedir pra gurizada correr, fazer por onde e jogar com DIGNIDADE (a palavra mais ouvida nos últimos dias).

Agora, pra que fique bem claro: gremista vestindo, cantando, ou torcendo para o Inter descaradamente ou ao contrário, é lamentável. Não é que eu ache que a rivalidade tem que ser briga, morte. Que colorados e gremistas não possam se falar.

Mas a rivalidade, pra ser sadia, tem que existir. E a partir do momento que um abdica de torcer contra o outro, que mendiga pontos do rival, que sua massa comemora, vibra com um gol do arquirrival dentro de sua casa, a rivalidade diminui deixa de existir, vira qualquer outra coisa.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

A Frase de 2009

"Vocês sabem que o Inter disputou muitas finais nesse ano. Teve time que não disputou nenhuma" - Andrés D'alessandro.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Paulos

Depois de apostar 2009 em PAULO Autuori, O Grêmio colocou as fichas de 2010 numa certeza, que é PAULO Paixão, e numa tradição/aposta, que é a de elevar técnicos com potencial ao nível de melhores do Brasil.

PAULO Silas, a opção B para treinar o Imortal em 2010 – Adilson Batista era o preferido – pode dar certo. Aliás, tem chances boas de dar certo. Seu histórico no Avaí, mostra, principalmente, muito trabalho, humildade e capacidade de unir o grupo em torno dum objetivo.

Lembro do início do Catarinense 2009. Silas, com o Avaí, era uma potência no estado. Favorito ao título, utilizou o certame (que tal essa, Tchê?) para testar formações. Contra o Brusque FC, num jogo que eu estava sentado atrás da goleira, ele começou a desenhar a formação que levaria o Avaí a campanha surpreendente do Br09.

Naquele dia, sem imaginar que em 2010 o homem seria treinador do Tricolor, passei por ele, dei um tapinha nas costas e mandei o tradicional "bom jogo, professor". Concentrado, ele voltou-se para mim e agradeceu.

Silas vinha mudando o time, tentando o 4-4-2, 3-5-2, e naquela noite botou em campo um 3-6-1 (que frio na espinha), com Medina, jovem ala-direito, jogando bem aberto, fazendo as ultrapassagens. Medina acabou com aquele jogo, mas perdeu força para o Maletão 2009.

Apenas me lembrei deste fato. O time do Avaí deste ano foi muito mais que uma boa ultrapassagem pela direita. Tinha marcação, articulação e grupo fechado. Lembro do Avaí ganhando fácil do Grêmio na Ressacada, num jogo em que o Tricolor foi sofrível e, logo após a partida, recordo de Silas falando que o objetivo continuava sendo NÃO CAIR de volta para a segundona. E ele conseguiu levar este discurso adiante, incutiu isso na mente dos jogares e até da torcida, sempre eufórica. Acabou levando o time para a Sulamiranda 2010, na frente do Grêmio, inclusive.


Acho que Rospide seria a aposta ideal pelo seu histórico dentro do Clube, por sua postura firme, por seu jeito de ver futebol, virtudes evidenciadas na semana passada, quando tive uma aula com ele lá na Perestroika, em POA, no tal curso que o Grenalzito tá me pagando.

Lá, Rospide deixou claro que ficou decepcionado pelo fato de não ser efetivado, mas mostrou humildade, dizendo que faria o trabalho de auxiliar, ou qualquer outro, com todas as suas forças, com o maior empenho possível. "Já deixei minha primeira impressão. Já deixei a segunda. Não sei quantas terei que deixar para ser efetivado", disse.

Entre outras coisas, Rospide também evidenciou sua prioridade pela defesa e definiu o futebol atual como um jogo em que "quem errar menos, vence". Gosta de treinos no limite, de jogar com centroavante fixo, que faça pivô e cabeceie bem, e exige que os armadores e laterais cruzem bolas insistentemente para dentro da área.

Então, quem sabe, unindo Silas, Rospide e Paixão, que dispensa comentários, teremos uma comissão técnica agregadora, de grupo, com ideia de futebol pegador, viril. Tudo que a torcida gremista preza.

Ideal mesmo seria que o contrato de Silas tivesse uma cláusula obrigando a contratação de Marquinhos. E que o contrato de Marquinhos obrigasse a contratação de Léo Gago.

Frase do domingo

"Tentar amenizar a maior rivalidade do mundo, repentina e oportunamente, em prol de um dos lados, é um insulto às tradições pior do que erva-mate com açúcar, churrasco na grelha e a tchê music." (Bonatto, C)

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

BOMBA! Escalação do Grêmio contra o Flamengo!

O camarada Joenis Baude, que disputará uma vaga na Série A 2010 com o camarada Raphael Santos da Luz (Coxa e Nense, domingo as 17), enviou a foto secreta da escalação gremista no jogo do Maracanã!


AGORA VAI!

Retomando, pero no mucho!

GRUUUAAAAAAAAAAAAAAAAAAARRRRRRRRRRRRR!


"Para mim o ano ainda não acabou, sou parte do grupo e falta mais um jogo. Depois vamos ver o que acontece." - Pablo Horácio Guiñazú.
QUEM SOU EU pra contrariar e dizer que o título está perdido?

Gurizada medonha! Antes de mais nada, a corporação GRENALZITOS S/A anda mais parada que o acelerador do carro do Barrichello! Ontem terminei a faculdade, e por estes dias o Mister Juarez Haas concluirá seu curso com o Nando GrAss... Não que seja desculpa, mas enfim.

Domingo passado não consegui ver o jogo do Inter. Fiquei na infartante "bolinha", esperando a "enxurrada" de gols colorada. E quando o Andrezinho guardou de falta (eu não vi na hora, mas imaginei que tinha sido algo ÉPICO nesse estilo) pelo menos nossa DIGNIDADE enquanto INSTITUIÇÃO estava assegurada. Ficar entre os 3 primeiros do torneio era mais que uma obrigação para o Inter.

Aí chegamos a última rodada. Enquanto todo o PLANETA (mais conhecido como RGS e programas esportivos) discute a questão do entrega-não-entrega, malas mais coloridas que a bandeira do São Paulo, corpo mole, etc, o Grenalzito vai em outra direção:... Na verdade não pensei direito sobre qual direção seria essa, mas EU pelo menos não entro nesses méritos "extra" campo. Como desde o início desta bagaça me propus a falar de FUTEBOL, bola rolando dentro de quatro linhas, seguirei dessa maneira.

Ganhar do Santo André no último jogo do ano, no Gigante, é também obrigação. Mas acho que não será fácil. Antes de esperar resultados, é BEM MELHOR fazê-los. Jogar de "high hills" num jogo desse pode trazer consequencias catastróficas.

E como o grupo para 2010 passa por este jogo (provável vaga direta para a Líber10), todo mundo tem que mostrar que MERECE vestir o manto rubro no ano que vem. E os reforços? Carvalho, um CENTROAVANTE de verdade e um lateral-direito, PELO MENOS!

Nos próximos dias textos sobre as estatísticas completas de 2009, um balanço do ano da Dupla e uma votação/enquete: OS 11 MELHORES DA DÉCADA! Grenalzito's de volta!

Ps.: Uma provocação: Com a vaga 99,9% garantida na Libertadores da próxima temporada, e com a hipótese de TIME B no Gaúchão 2010, será que o Grêmio comemorará um título nos próximos 12 meses?

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Até que enfim!

Nº1?


Pelo menos na última chance o time deu conta do recado! Assim como a parte vermelha do blog acertou seu primeiro palpite no ano! É na hora decisiva que descobrimos quem tem bala na agulha!

A vitória suada de domingo passou por dois pontos muito específicos: marcação e saída de bola. A defesa esteve perfeita, sólida como há sei lá quanto tempo não estava. Bolívar e Índio precisos na temida bola parada por cima; Danilo Silva guardando posição e tentando não comprometer; e Kléber espetacular, o melhor em campo, com lucidez e tranquilidade para desafogar o time pela canhota. O sistema defensivo foi auxiliado pelas ótimas atuações de Sandro, Giuliano e Guina, que trancaram os meias do Galo e ainda conseguiram reter a bola nos momentos mais OSCOS.

Esse lance NÃO terminou em gol!


Mesmo com Alecsandro e Taison errando gols, conseguimos a vitória! Nesse Brasileirinhas 2009 totalmente non sense, mesmo passando várias rodadas em COMA, o Inter ainda pode ser campeão! Mas se o sonho da taça ainda é distante (menos pro Fábio!), a vaga para a Libertadores de 2010 está quase assegurada. Pouco para o elenco montado pelo Colorado, mas ainda assim a confirmação de que o importante mesmo em pontos corridos é cravar teu nome como "time que chega". Estando sempre entre os 5 primeiros, todo ano, tudo pode acontecer! Pouca gente tem notado, mas com a solidificação deste sistema de disputa, vamos caminhar para um campeonato no qual quase todo ano 5 times estarão brigando pelas primeiras posições. Mas isso é assunto pra outro dia...

Comentários aleatórios:

- Celso Juarez, o amigo do Mau, perdeu 5 em 5 partidas pro Inter em 2009! Increíble, como diz o sócio aqui do bolicho!

- Galo e Mengo colocaram um trilhão de pessoas no estádio e decepcionaram suas torcidas...

- Inter tem 59 pontos, Grêmio 52. Faltando duas rodadas, já terminaremos o TORNEIO na frente do co-irmão. Para muitos, isso que importa!

- Sport rebaixado fora... Que jogo PERIGOSO!!! Falando sério mesmo... Todo cuidado é pouco! Seriedade gurizada, por favor!

- Última rodada pode ter 4 times empatados com 62 pontos. É pra matar o vivente!

Família Turfe

Fotos: Site do Inter.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Última chance

OLHA PRA CÁ VESGO

Uma notícia que enche os otimistas de esperança (como se isso não fosse uma puta duma redundância). Via ESPN.com.br, um dos melhores sites de esportes da Sudamerica.

Atlético-MG nunca venceu o Internacional na era dos pontos corridos

Em quinto lugar no Brasileirão, com 56 pontos, o Atlético-MG enfrenta o Internacional, no próximo domingo, no Mineirão, em duelo direto pela vaga no G-4. O time gaúcho tem a mesma pontuação que o adversário, mas está acima na tabela por ter melhor saldo de gols.

Para tomar o lugar do rival, os mineiros terão que quebrar um tabu: até hoje não venceram o Colorado na era dos pontos corridos. Desde que a fórmula foi adotada, em 2003, os dois clubes já se enfrentaram 11 vezes. E o retrospecto é desfavorável ao time mineiro. Foram sete empates e quatro vitórias do Internacional. Nestes duelos, o Atlético marcou 13 gols e sofreu 18.

Em 2003, houve empate por 3 a 3, no Beira Rio e derrota por 2 a 1 em BH. No ano seguinte, o Alvinegro foi goleado por 4 a 1 fora e empatou por 1 a 1 em casa. Em 2005, ano em que o time mineiro caiu para a 2ª divisão, o 1 a 1 se repetiu duas vezes.

Na sua volta à elite, em 2007, mais duas igualdades: 1 a 1 no Sul e 2 a 2 em Minas. Em 2008, o Inter venceu por 1 a 0 com o apoio de sua torcida e segurou o empate por 2 a 2 no Mineirão. O último confronto, realizado no primeiro turno do atual Brasileirão, no Beira Rio, terminou 3 a 0 para os gaúchos.


A única coisa que eu sei é que Atlético-MG e Inter é sempre um baita jogo. É como Inter e Cruzeiro, Inter e Fluminense, Inter e Corinthians...
Tradição contra tradição! Veremos se os jogadores, e principalmente, os DONOS DAS CASAMATAS do Galo e do Colorado serão dignos de tal duelo histórico.

Palpite: 1 a 0 Inter, não sofrendo gols num jogo. (acho que a última vez que isso aconteceu foi no GRENAL em que o Victor deu uma de Sérgio Mallandro - tomou GLUGLU)

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Plagiando

Tá quase impossível criar. Então, pra movimentar, vamos copiar.

Leonardo Fleck, do Grêmio Copero, aquele abraço e obrigado!

"""
Se o valor que o Vidarte publicou no blog dele (taí, no Grenalzito também, logo abaixo) estiver correto, e deve estar, Victor e Réver deveriam ter um reajuste salarial de 100%. Já escrevi aqui que o Víctor deveria ser chamado pelo presidente e ser convencido a permanecer no Grêmio por 10 anos, ao menos, com compensações financeiras óbvias. O Grêmio precisa manter seus emblemas e a torcida ter seus ídolos mantidos pelo maior tempo possível. Também no blog do Vidarte sai a público a informação de que Mário Fernandes e Maxi López serão adquiridos e deverão permanecer no Grêmio. Réver disse que quer ficar ao menos por mais um ano, quer um título. O mesmo diz Tcheco pra quem quiser ouvir. Muita gente torce o nariz pra ele, muita gente gosta dele. Eu sou um dos que está no segundo grupo. Sempre o defendi e sempre o defenderei. É gremista de coração e não me importa que não tenha ganhado nada de expressão com o Grêmio. Não ganhou ainda. É um jogador fundamental nas bolas alçadas, estabiliza o meio de campo, vibra muito. Basta ter a cabeça no lugar.

Em comparação com os demais times brasileiros, estou convicto de que o time do Grêmio é um baita time, estou convicto de que o Grêmio só não está disputando o título porque faltou gremismo ao Grêmio de Autuori. Autuori foi um erro compreensível de avaliação e sua incompreensível manutenção insistente foi o desespero da direção em justificar tanta espera. Autuori fracassou. Autuori passou. 2009 passará. O primeiro jogo pós-ele já motivou a recepção do time no aeroporto. Não foram recepcioná-lo devido ao EMPATE que beneficiou por tabela o SC2006. Não foram recepcioná-lo devido a classificação à Libertadores. Não foram recepcioná-lo para agradecer pela campanha pífia nesse campeonato e nos outros. Foram recepcioná-los, senhores, para demonstrar à todos vocês que estávamos com saudades do Grêmio. Para demostrar à todos vocês, no Grêmio, como queremos que sejam as coisas.

“O Grêmio voltou”, comentaram alguns aqui no blog. Terminou a pasmaceira, a conversa-mole, a lenga-lenga, a ponderação na prática do esporte. Grêmio é loucura, é destemor, é entrega, é combate, são os dizeres estampados nos trapos de arquibancada: “não ao fair play”, “treino é jogo e jogo é guerra”. Grêmio é honra, é jogar pela camiseta, é exigir-se o máximo, ao máximo, é beneficiar o rival, se assim suceder, mas jamais abrir mão dos códigos, do amor próprio. Grêmio é tradição vencedora, combativa, de imposição física. Grêmio é pela força, pela raça, pela entrega, pelo brío. Peço discursos condizentes com essa tradição e com esse estilo de praticar o tal de futebol. É cansativo ouvir desculpas que não tenham esse norte, tentando justificar sem haver entendido que é porque nos afastamos da nossa essência. O problema sempre foi o afastamento da essência. Não à toa sempre pedimos um Grêmio mais Grêmio.

Perdemos, por erro de avaliação e “perfil”, ótimos dois reforços. Gilberto e Marcelinho Paraúcho. Bem, acho que quem avalia é um tanto míope para o tal de futebol e adota discursos por demais pouco refletidos. Se forem os mesmos que avaliaram e insistiram com o técnico, espero, apenas, que não permaneçam avaliando para o ano próximo. Hugo serve, Gilberto não. Curioso. Gosto dos dois, entretanto.

Dos jogadores que estão, Víctor, Réver, Mário, Souza, Maxi, Tcheco, Leo, Adílson, Rockembach (aí eu disordo - gordo, lento, sem vontade), Rafa Marques, Lúcio, Jonas, Douglas Costa. É um belo time e com ótimas opções. Deveriam ser mantidos todos.

Perea, Herrera, Túlio, Thiego, (acrescente o teu) so long, até logo, adiós. Rechear o grupo com a gurizada da base, trazer um xerifão uruguaio de nome Lugano, um 5 blindado e… nada mais. Apostar na base MESMO. Leandro, Borges, Hugo? Ahmm, se dobrarem o salário dos dois referidos no começo do texto sim, se não, que sejam valorizados os que merecem ser e que a gurizada tenha chance.

Que tratem o Grêmio com a grandeza do Grêmio e com devoção à tradição da escola tricolor. Sem invencionismos, sem ideias muito além das fronteiras. Queremos o penta.
"""
Imagem da segunda-feira, 17, cerca de 30º em POA

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Deu no Niuiórquitaimes...

Saiu em tudo que é canto, mas tô pegando do blog do Vidarte:

Salários pagos (em MIL DINHEIROS) na Padre Cacique:

Índio - R$ 220; Dale - R$ 210; Eller - R$ 200; Kléber - R$ 180; Alecsandro - R$ 140; Sorondo - R$ 130; Andrezinho - R$ 90; Marcelo Cordeiro - R$ 70.

Mário Sérgio Pontes de Paiva ganha 150, mas terá um bônus se classificar pra Libertadores de 500 mil reais.

Salários pagos na Azenha:
Souza - R$ 320; Maxi - R$ 300; Rochemback - R$ 240; Túlio, Tcheco e Herrera - R$ 130; Lúcio - R$ 60; Perea - R$ 100; Jonas - R$ 80; Réver - R$ 60; Victor, Léo, Magrão, Cajá, Rafa e Fábio Santos - R$ 50; Grohe, Thiego e Adílson - R$ 35; Douglas, Maílson, Ricardo e Mithyuê - R$ 20; Mário Fernandes - R$ 10; Alessandro e Colaço - R$ 6.

Jogadores que foram dispensados, mas que ganhavam uma grana preta: Alex Mineiro - R$ 200; Orteman - R$ 150; Jadílson - R$ 100 e Joílson - R$ 80.

Paulo Autuori ganhava 300 e a comissão técnica (auxiliar e preparador físico) outros 150 mil reais mensais.

Não se confundam, os traçinhos ali não representam MENOS aquele valor, é só pra separar mesmo...

Bom décimo terceiro pra nós!

terça-feira, 10 de novembro de 2009

E aí, FIMOSE?

Sempre que ME VEJO DE FRONTE à estas notícias sinto uma espécie de medo, UM FRIO QUE CORRE PELA ESPINHA, se é que tu me entende.

“Sai Autuori e vem Silas, Simplesmente. Ou vem Adilson Batista” – dizem as notícias.

Prefiro o Adilson, que fique claro. Tem ligação com o Grêmio, é venal, um tanto louco até, o que sempre é bom.

Vejo Silas como uma aposta muito maior. Bom treinador, cabeça boa, não deixou-se ludibriar com as propostas que apareceram, fez um baita trabalho no Avaí e poderia pedir a contratação de Marquinhos, o que me agradaria bastante.

Mas Adilson, Capitán America, já esteve na final da Libertadores como treinador e tem alguns anos a mais de Série A. Prefiro que ele venha, repito.

Acho que a direção vai atrás de dois bons técnicos. Qualquer um pode dar certo.

----------------

Só pra constar, outro dia divaguei sobre o findo da temporada 2009. Seguem os pensamentos:

Teve um dia no passado que escrevi sobre a possibilidade de alguém fazer uma tese de doutorado sobre o Grêmio Perde-Ganha 2009.

Que o time é bom, no mínimo nota 7, eu não tenho dúvida. Não fosse, seria incapaz de passar tanto tempo sem perder em casa. Um time ruim, já teria perdido.

Mas então, o que faltou para o Grêmio ser um time nota 8 ou 9 neste Brasileiro?
Primeiro faltou vontade. É inegável que a turma do Autuori vem jogando na marcha lenta há tempos. Mas qual seria a razão pra isso? É o técnico que pede para jogarem assim?

Não acredito. É perigoso para o treinador pedir que seus jogadores não se entreguem de corpo e alma em campo. Até um gentelman como Autuori sabe que se não correr, não suar, não aparecer pro jogo, o time sucumbirá.

Mas por que cargas d’água então o Grêmio é esta caricatura de time? Faltou bicho?

Talvez. Disse o Souza outro dia, lá na aula da Perestroika, que o que motiva de verdade é dinheiro. Será que os jogadores queriam mais que seus salários astronômicos para colocar o Grêmio entre os quatro melhores do Br09?

Se a resposta é sim, tô com a direção. Não pagaria, por motivos óbvios.

Teria faltado, talvez, jogadores mais qualificados? Acho que pra ficar entre os quatro não.
Nos faltou um lateral-direito. Mas Mário Fernandez faz tranquilamente a função. Não comprometeu.

Faltou um lateral-esquerdo, isso sim. Apesar de quatro jogadores da função terem passado por ali (Fábio Santos, Jadilson, Collaço e Lúcio), nenhum deles deu a resposta necessária. Lúcio, a maior aposta, não decolou. Parece receoso com seus joelhos operados.

Nossos zagueiros são bons. Ninguém pode contestá-los. Só acho que Rafael Marques atravessava melhor momento que Léo quando Autuori resolveu efetivar o prata da casa na posição.

Os volantes também são. Adilson não é Lucas, mas sabe fazer a função. Túlio e Rochemback a mesma coisa. Só que nenhum deles foi capaz de ser aquele camisa 5 peleador, que não pára nunca, que não deixa o time adversário jogar, que briga, esperneia, comanda a meia-cancha. ISSO FALTOU.

Faltou também um meia de perna canhota, nem que fosse opção no banco. Alguém que pudesse mudar o jeito do time jogar, uma alternativa pelo outro lado. Tcheco foi burocrático a temporada toda, faltou-lhe a criatividade, a bola em profundidade, o cruzamento preciso.

E do ataque vieram as melhores notícias. Jonas provou que perde, mas faz um monte. E Maxi mostrou-se um atacante de qualidades gremistas, com raça, empenho e gols, com a cabeça e com os pés. Mas faltaram suplentes. Herrera e Perea não estiveram a altura.

Certo é que ano que vem o Grêmio terá três chances de chegar a Libertadores 2011. Se vencer a Copa do Brasil, se vencer a Sulamerica ou se ficar entre os quatro do Br10.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Apostas

Colorado tirando onda com Gremista: cena corriqueira

Pois essa foto aí, surrupiada lá do ClicRBS, ilustra o pagamento de uma aposta feita entre os compañeros de seleção vice-campeã mundial sub-20, Giuliano e Douglas Costa. Os piás apostaram um churras, quem perdesse o GRENAL pagava. Adivinha quem tá pagando?

Pois amanhã, no futebol semanal ao qual participam este ser humano e o señor Maurício Tommy Haas, uma aposta também será paga. Atrás da META defendida por este ARQUEIRO, estará uma tremulante e rubra bandeira COLORADA. Quem ganhasse o GRENAL teria a honra de estender o manto sagrado para todos admirarem. Se der coloco uma foto por aqui!

Abraços e o sumiço é temporário (assim como o futebol da dupla este ano). Antes do Papai Noel chegar as coisas estarão normalizadas!

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Encontro com o professor

Aí está: demorei, mas escrevi abaixo os principais trechos do que anotei na “aula” do dia 27 de outubro, quando tive este encontro com o professor Dunga em Porto Alegre, numa das aulas do curso Kick Off 2, da Perestroika.

O chamado para a Seleção
Dunga contou detalhes do momento em que foi chamado para treinar a Seleção Brasileira. Disse que não imagina tal convite, achou que, quando o assessor de Ricardo Teixeira lhe telefonou, era para convidá-lo para algum cargo dentro da CBF, não para ser “O” treinador. “Estava jantando com minha família em Porto Alegre. O assessor do presidente me ligou e disse que o Ricardo queria fazer uma reunião comigo. Pediu segredo e avisou que era pra semana seguinte. Desliguei e brinquei com meu filho: ‘vou ser treinador da Seleção’. Rimos e uma semana depois fui ao Rio de Janeiro encontrar o Ricardo. Chegando lá, a primeira coisa que ele me disse: ‘Dunga, pela primeira vez desde que sou presidente da CBF um segredo durou sete dias’. Foi uma atitude normal, mas que me deu moral com o presidente. Fechamos e no outro dia saiu a notícia. Meu filho estava na Bahia. Viu o jornal e me ligou cobrando: ‘pô, pai! Por que tu não me disse nada?’”
Dunga ainda admitiu: “fui escolhido pela minha maneira de ser, não porque era treinador”.

Escalação da Copa
Dunga não deu a escalação com todas as letras, mas pelo que vazou tem os 11 escalados para começar a Copa. Julio César, Maicon, Lúcio, Juan e André Santos; Gilberto Silva, Felipe Mello, Elano e Kaká; Robinho e Luís Fabiano.
Elano, ou Ramires, ou Daniel Alves, são, definitivamente, peças fundamentais no esquema que gosta o professor Dunga. Ele diz que estes jogadores são os homens ideais para a 3ª função do meio-campo. Marcam e armam, além de terem bom chute de fora da área e, nos casos de Elano e Daniel, serem os homens da bola parada.

Outras preocupações com a Seleção
Além de passar os dias assistindo jogos ao vivo ou gravados, convocar, escalar e treinar o selecionado brasileiro, Dunga revelou ter que se preocupar com diversos fatores extra-campo, como a altura do gramado onde a Seleção vai mandar os jogos e com o hino. “Nosso time é rápido, gosta de jogar em velocidade. Pra isso a grama tem que ser baixa. Aí eu peço pra cortar e os caras dizem que não porque na TV vão aparecer as falhas. Não estou preocupado com o que vai aparecer na TV. Quero ganhar o jogo”, disse.
Sobre o hino, Dunga reclamou: “preparo os jogadores para entrarem fervendo, com sangue nos olhos. Aí colocam um artista pra executar o hino nacional numa versão toda melódica. Artisticamente é muito bonito, mas não serve pro jogo. O hino tem que ser tocado por uma banda militar, com toda força que ele merece”, opinou.

Táticas de Dunga
O que ele mais pede é que todos estejam focados na Seleção. Tem que DESEJAR estar lá para estar de fato. Depois, Dunga os põe para jogar. Esta, assim como a pergunta sobre Adriano, tive a oportunidade de fazer para o treinador da Seleção Brasileira. Pedi pra que se levantasse e explicasse no quadro como joga a sua Seleção.
“Eu gosto de duas linhas de quatro e dois atacantes, que é como jogador brasileiro sabe jogar. Este é meu SISTEMA de jogo preferido. A TÁTICA varia de acordo com o jogo. Se sei que o adversário tem um lado mais fraco, vou tentar armar algo por ali”, explicou Dunga. Simples, assim, sem muitas idéias mirabolantes.

Robinho e Kaká
Robinho vem sendo contestado, mas Dunga sequer cogita deixá-lo fora da Copa 2010. “O Robinho sempre me deu a resposta. Quando não foi decisivo individualmente, foi importante taticamente”, disse Dunga. “Ele e o Kaká têm total liberdade dentro do jogo para trocarem de posição. O Robinho, assim como Kaká, joga de meia, segundo atacante e centroavante. Jogador brasileiro tem muito disso. Faz a sua e tem noção de como se faz as outras posições. São muito mais versáteis que os europeus”, analisou Dunga.

Ronaldinho Gaúcho
Por que Ronaldinho Gaúcho não consegue jogar mais o futebol que lhe consagrou? Professor Dunga também tem a sua teoria: “o Ronaldinho perdeu a alegria das coisas simples. Hoje ele não pode ir ao restaurante, não consegue ir shopping sem ser rodeado de gente. E isso afeta ele dentro de campo. Se tu não estás bem fora de campo, dentro de campo não vais estar também”, comentou.

Adriano“Cheguei e conversei com Adriano, pedi pra ele maneirar. Se vai pra festa, vai devagar, não vai todo dia, se comporta. Não toma cinco cervejas, toma duas. Não pega 10 menininhas, pega cinco. Não estou pedindo pra parar – não seria louco de fazer isso – só estou pedindo pra se controlar. E outra: na Seleção, ele é o cara que tenho que tirar do treino, se não fica até de noite”, confidenciou.

Começo suado
Uma namorada ou dois sanduíches
Quando começou no Internacional, aos 14 anos, Dunga cultivava o hábito de treinar ao meio-dia, com um saco sobre o corpo, que era pra aumentar a dificuldade e o suador. “Nos finais de semana, o Inter nos dava dois sanduíches pra passarmos sábado e domingo. Os guris mais abonados iam pra casa. E nós ficávamos. Ficava e roubava a comida deles de dentro dos armários. Virava armário, fazia furo atrás. Limpava. Tinha uma época também que a gente jogava na várzea pra fazer uma grana. Depois, tinha a tática de arrumar uma namorada. Aí, no domingo, ia almoçar na casa dela e levava mais uns quatro jogadores juntos. Assim fomos nos virando”, contou Dunga em meio a risos.

Na balada com roupa consignada
O professor também aprontou umas boas. Quando ainda não tinha dinheiro para comprar roupas novas para freqüentar as festas em Porto Alegre, ia nas lojas, pegava roupa em consignação, usava na noite, depois devolvia.

Pênalti de 94
Dunga foi o quarto cobrador na sequência de batedores brasileiros na final dos pênaltis em 94, contra a Italia. Não era batedor oficial do time e não sabia que seria relacionado por Parreira para as cobranças. Caminhando em sua direção, Parreira chamou: “meu capitão”.
“Gelei na hora. Mas aquele pênalti é o resumo da minha vida. Em 90, quando perdemos, a Era Dunga, tudo aquilo veio na minha cabeça. Numa noite depois de 90, tomando cerveja com meu pai, disse pra ele que precisa de mais uma chance. Uma só. E então veio aquele pênalti em 94. Era o momento de reverter a minha história. Saí do meio de campo, fui caminhando e rezando tanto que estou pagando promessa até hoje. Estava 100% concentrado, não escutava nada. Se não ganhássemos aquela Copa, acho que eu não voltava para o Brasil”, contou.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Compañeros

Perdón.

Tenho que vir aqui e me desculpar pela ausência. Na real, nem sei se alguém realmente a sentiu, mas o trampo e as viagens para fazer o curso em POA têm me consumido.

Hoje mesmo, à 1:12 da matina, escrevo, de volta do trabalho, sem sequer ter me banhado.

Só posso avisar que voltarei nesta semana com as impressões da "aula" que tive com Dunga na terça-feira, quando ele falou de Seleção, da base no Inter, do Ronaldinho, do Kaká, Robinho, Josué, Adriano, esquema de jogo, entre outras coisas.

No mais, argumento contra a falta de texto o fato de nem poder ter assistido o GRE-NAL porque estava trabalhando. Grêmio 3 x 1 Avaí, mesma coisa. Trampo, trampo, trampo.

Ainda bem que o Felipe tá guentando as pontas, mesmo que também esteja cheio de trabalho pra fazer.

Mas não me iludo. Sei que o Grêmio não tem força pra chegar na LA10. Assim como o Inter não tem pra ser campeão. O Grêmio é muito REGULAR - ganha em casa e perde fora. E o Inter é IRREGULAR demais - ganha e perde em sequência.

Té a próxima!

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Guiñazu de peito aberto, por Alexandre Alliatti

"É iso ae fenômeno!"


Vale muito a pena ler esta entrevista com o capitão Colorado no globoesporte.com

Como foi sua infância em General Cabrera? O contato com a bola foi desde cedo?

- Veja só. Estou sentado aqui e tem uma piscina aquecida para as crianças na nossa frente. Lá fora, tem uma piscina de verão. Lá adiante, tem as quadras de tênis. E eu penso que não tinha isso quando criança para pular de um lugar para outro e não parar de brincar. Tenho que falar isso para meus filhos: “Aproveitem, porque às vezes a vida te dá isso.” Eu chutava bolas feitas com meias para jogar em qualquer espaço: dentro de casa, quando era noite, porque era frio, e minha mãe brigando com a gente, e na garagem, quebrando as coisas de luz e tudo. A bola sempre foi meu único brinquedo.

O torcedor do Inter tem idolatria por você. E costuma brincar dizendo que você não cansa, que não sente dor. Não deve ser bem assim...

- Claro que não. Outro dia, no domingo (depois do Gre-Nal), cheguei, sentei na frente da televisão e dormi, sem me mexer. Sinto muita dor. Acordo e não consigo me mexer. Fico dois, três dias assim. Porque não me importa se é final ou não. Se você jogar tênis comigo, vai suar o dobro. Não importa se vai ganhar de 6-0, mas vai suar. Para mim, sempre é possível virar.

Esse é "fenômeno"! E fará uma falta absurda hoje.

Mas é o dia! O dia para provar que o título, apesar dos pesares, pode ser VERMELHO!

Palpite? VITÓRIA RUBRA, seja como for!

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

O Homem GRENAL

O Cara

Disputou 6 clássicos e venceu 5;
Fez 3 gols e deu 2 assistências;


D'alessandro é o tipo de jogador talhado para estes momentos sanguíneos, como só um GRENAL pode ser. Digam o que disserem do gringo, só pelo que ele fez nos clássicos que jogou, o investimento no seu futebol já teve retorno.

O jogo

Todo mundo vai ler por aí que o jogo foi "pobre" do ponto de vista técnico. Vendo futebol a 17 anos, conto nos dedos das mãos os GRENAIS sensacionais tecnicamente. É sempre um jogo brigado, decidido nos detalhes minúsculos e imprevisível.

Tanto Autuori quanto Mário Sérgio escalaram bem os times, surpreendentemente. Só que o Inter muito mais equilibrado entre ataque e defesa. Mas aí nem é tanta culpa do Cantor de Bolero, já que tinha desfalques no ataque e na ligação.

ADIVINHEEEEE...


Dá pra dizer que o Grêmio teve mais posse de bola por estratégia do Inter. Em função do gol, lógico. Se o Grêmio faz um gol antes dos 5 minutos do primeiro tempo, também congestionaria o meio, entregaria a bola aos volantes e zagueiros do Inter e deixaria o adversário bater cabeça por 85 minutos.

O jogo foi decidido pelos principais expoentes técnicos da dupla: D'ale fuzilou e Victor aceitou.

Os destaques

Colorados: Guina indestrutível; Giuliano aplicado; Índio se supera em GRENAL; Kléber com muita qualidade e lucidez no passe; Taison foi perfeito taticamente (BRAGA, Abel); D'ale, nem precisa dizer.

MONSTRO


Gremistas: Mário Fernandes pode ser um dos melhores zagueiros pela direita do Brasil em alguns anos. Classe e técnica. Está sendo desperdiçado na lateral; Réver tranquilo (LÓPEZ, Maxi); Souza esforçado; Douglas Costa idem a Souza.

Os "nem tão destaques assim":

Colorados: Daniel é tão fraco quanto Danilo Silva; Alecsandro perdeu um gol indesculpável; Mário Sérgio QUASE estragou o time com as mudanças no segundo tempo.

Gremistas: OBRIGADO VICTOR! Honra ao Mérito para HERRERA, um dos atacantes mais toscos do planeta; Paulo Autuori tirou Douglas Costa e deixou os três volantes no meio. Não deu pra entender.

Os números

4 vitórias Coloradas e uma gremista em clássicos em 2009. Depois de quatro 2 a 1, um placar diferente: 1 a 0, mostrando que GRENAL é jogo de poucos gols. Só tem mais quando um jogador destoa do resto, como naqueles 4 a 1 que D'ale acabou com o jogo!

Agora são 378 Jogos na história do clássico, com 142 vitórias do INTER, 117 empates e 119 vitórias do GRÊMIO. Os vermelhos fizeram 540 gols e os azuis 501. Desde 1945 o Inter mantém mais vitórias que o rival no histórico do GRENAL.

Quase espelho
Fotos e fatos retirados de http://internacional.com.br/

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Ramu metê eles, tchê!


Semana Grenalzitos vem com as pérolas de Souza e as ponderações de Alecsandro.

Ontem a noite foi de bate-papo com Souza, que mostrou ainda mais irreverência longe dos microfones, e Alecsandro, um cara muito mais comedido, mais centrado, mais profissional, apesar de ter largado umas frases bem legais, tipo:

- Eu não “dibro” nem meu filho em casa, imagina jogador – referindo-se a sua falta de habilidade com a gorduchinha nos pés e ao início da carreira, quando era escalado como meia, principalmente nas categorias de base.

Mesmo que, na maioria da vezes, eles mantiveram um discurso politicamente correto, por vezes mandaram ver nas respostas e explicaram coisas bem interessantes.
Souza, por exemplo, quando disse que trabalhou com dois técnicos de Seleção Brasileira, Leão e Lazzaroni, comentou o seguinte sobre eles:

- São duas desgraças! – depois elogiou Autuori como um dos melhores que já trabalhou.
Alcsandro, entre as coisas mais polêmicas, falou que já atuou em time que se reunia depois da preleção e falava:

- Esquece tudo que o treinador falou e vamos fazer assim...

Ele também lembrou do início, quando ganhava R$ 500 no interior paulista e recebeu uma proposta de 9 mil Euros para jogar na segundona da França. Tinha 17 anos e, chegando lá, descobriu que teria que lavar sua roupa de treino se quisesse ela limpa no outro dia. Ficou três meses e voltou pros 500 pilas.

O camisa 9 do Inter e artilheiro do Brasileirão ainda comentou que pretende ser treinador no futuro e que já é “dono” de 25 jogadores brasileiros junto com seu procurador. Aliás, Alecsandro revelou que paga 10% de seu salário para este tal procurador que, segundo ele, “cuida” de suas coisas, como arrumar apartamento, contratos, negociações, “tudo”.

Quanto aos contratos, Souza vazou que no Grêmio se paga 70% na carteira de trabalho e 30% como “direito de imagem”, enquanto no São Paulo acontece o inverso.

Os empresários, que “nada fazem além de intermediar as negociações” e são diferentes dos procuradores, levam, geralmente, 10% dos valores de uma transferência.

Concentração
Na Europa, alguns times não fazem concentração. Os jogadores chegam de suas casas duas ou três horas antes da partida, se reúnem e vão pro jogo. Questionados sobre isso, Souza e Alecsandro foram enfáticos:

- Não tem como acabar com a concentração – disseram. A referência foi clara: jogador cai na gandaia ou, não dorme cedo, ou come demais, se não estiver trancado e sob os olhares da comissão técnica.

Treino fechado
No Inter, os treinos fechados foram recorrentes neste ano. Num passado recente, Mano Menezes fechava quase todos os dias os portões do Olímpico. Souza disse que “não tem nada a ver fazer treino fechado”. Já Alecsandro justificou:

- É um saco treinar com aquelas menininhas berrando o tempo todo. Não dá pra se concentrar no trabalho. Por isso muitos treinos são fechados.

Sobre o mesmo tema, Alecsandro também disse que tem muito jogador, dirigente e assessor que entrega o que foi feito no treino fechado.

Seleção
Ambos almejam uma vaga na Seleção Brasileira. Alecsandro, pela quantidade de gols no ano (27) colocou-se no patamar de Adriano e Diego Tardelli. Souza pediu para que Dunga olhasse mais para os atletas que atuam no Brasil.
___________________________

Frases de Willamis de Souza Silva
- “Ramu” metê eles, hein, tchê! – sobre o que mais escuta nas três semanas que antecedem um GRE-NAL.

- Quando eu parar de jogar futebol vou comprar uma rede. E só. Quero morar em Maceió. Ou Porto Alegre.

- O “se” não entra em campo. “Se” minha mãe fosse homem, eu teria dois pais –velha, mas espirituosa.

**Pra encerrar, leia o diálogo que o Souza teve com seu filho Kevin, de 7 anos, após o jogo de domingo.

- Cheguei depois do jogo contra o Coxa no domingo e meu filho veio me perguntar:
“pai, agora é o GRE-NAL, né?”

É, respondi.

Aí, ele perguntou:

“Vai ser no Olímpico ou no Beira-Rio?”
Beira Rio.

“Baaaah!” – ele me respondeu.... A pressão começa em casa, mesmo.
_______________________
E, o "fecha" do post é o QUIZITOS, que o Souza, ao ler, mandou mais uma:

- Eu tiraria zero nesta porra!

1. Em 1950, na primeira Copa do Mundo realizada no Brasil, quantas cidades foram sede do evento?
a) 10 (RJ, SP, POA, Salvador, Recife, BH, Curitiba, Goiânia, Cuiabá e Manaus
b) 6 (RJ, SP, POA, BH, Recife e Curitiba)
c) 9 (RJ, SP, BH, POA, Floripa, Fortaleza, Recife, Salvador e Curitiba)

2. Quais partidas foram jogadas em POA?
a) França 4x2 México e EUA 2x1 Suíça
b) Iuguslávia 4x1 México e Argentina 4x1 Russia
c) Iuguslávia 4x1 México e Suíça 2x1 México

3. Em qual estádio se jogou em POA?
a) Estádio da Baixada
b) Estádio Força e Luz
c) Estádio dos Eucaliptos

4. Qual clube teve a maior média de público na última temporada do futebol europeu?
a) Barcelona (82.306)
b) Real Madrid (76.239)
c) Manchester United (75.304)

Enquete relâmpago

A enquete sugerida pelo perestróiko Sr. Haas perguntava se "Mário Sérgio tem capacidade para fazer o Inter campeão do Br09?"

7 pessoas que crêem no impossível (Abraço Fabio!) responderam SIM.
10 São Tomés cravaram NÃO.

Agora a pergunta é sobre o superclassico da terra de Leonel de Moura Brizola: Quem será o "campeão" do último GRENAL do ano?

Vote consciente.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Grêmio fora do G4, OBVIAMENTE

Se tu não existisse, eu te inventaria!

A vitória diante do Coxa por 2 a 0, no Olímpico, é oportuna para que se diga o que está escrito no título. Dizer isso após uma derrota seria muito oportunismo dos fedorentos.

O Grêmio parece decidido a jogar na banguela, na maciota, com o lema “pra quê se mexer?!”.

Ontem, tudo se repetiu. O time foi insosso, lento, errou passes e parecia desinteressado, à exceção de Maxi López e Túlio. É uma equipe amarrada, não no sentido de jogar junto, mas como uma metáfora de quem está preso, sem saída. Os jogadores andam desligados, perdendo bolas por distração, errando passes curtos.

Victor, não podemos esquecer, foi o melhor em campo pelo Grêmio. Salvou o time de perder por 3 ou 4 a 2. Enquanto Tcheco foi o pior e Maxi e Túlio (pela entrega e bom desempenho de suas funções – um criar chances de gol e/ou fazê-los; outro desarmar e iniciar o jogo), Perea (pelo gol) e Souza (pelo mesmo motivo de Perea) foram os que se salvaram.

E olha que no segundo tempo o Grêmio teve 11 contra 10 durante 37 minutos. Mesmo assim, conseguiu tomar sufoco do Coxa, passando a controlar a partida somente após fazer o segundo gol, aos 37 minutos da etapa complementar. Aí sim, Mário e Lúcio (que está devendo) foram ao fundo, Rochemback teve infiltração, e o Grêmio criou um pouco mais.

Pelo lado do Coxa Branca, tudo está em uma defesa bem postada, tendo Pereirão como xerife, e na velocidade e inteligência da família Paraíba. Carlinhos pouco pôde fazer, mas Marcelinho é algo a se destacar. Sua atuação chama a atenção. É raro vê-lo sob marcação. Está sempre livre, desviando-se. Como diria meu pai, “é mais liso que jundiá ensaboado”. Quando seu time recupera a bola, Marcelinho (um cara velho pra contrato de dois anos, como definiu a direção gremista), sai em disparada como um guri de 20 anos, na diagonal, abrindo a defesa adversária, que fica em dúvida entre marcá-lo ou fechar o espaço para a eventual chegada de outro homem. Simples e eficiente. Só não fez gol porque Victor estava lá ou por “descalibre” de seu pé direito, já que poucas sobraram pra preferida canhota.

Diante da maneira que o Grêmio vem atuando, não acredito na classificação para a Libertadores. Acho muito complicado ganhar o GRE-NAL no Beira-Rio sem Maxi (70% do ataque) e Tcheco (experiência e respeito do adversário). Considero muito difícil um time que chega a 30ª rodada sem NUNCA ter entrado no G4, ser um integrante dele no final do 38º jogo.

Enfim, mais um ano que se vai para o Tricolor. Pelo menos, a parte AZUL do Grenalzito ganhou a primeira in loco.

Tiazinha devidamente uniformizada

Outros pensamentos:
**O melhor do dia é a frase do presidente Duda Kroeff depois do jogo: “Vou fazer o que for possível (para manter Victor em 2010). Ele não sai do Grêmio de jeito nenhum. Pode chegar a proposta mais alta do mundo. Não sai. Só sai se ele me disser que faz questão de sair”, disse.

**Tem um negócio engraçado: escuto o Autuori depois do jogo contra o Coxa e ouço ele dizer tudo que eu também diria se estivesse lá no lugar dele. Mas quando vejo um treino, como na terça-feira passada, só enxergo os jogadores disputando um animado futevôlei. E seu Paulo, enquanto isso, caminhando em volta do gramado.

**Renato Cajá tem o que chamamos de deficiência técnica. É limitadíssimo até que prove o contrário.

**Falta perna a Mário Fernandes. O guri é bom de bola, mas se sobe, não volta. Também pudera, sua função é a zaga e não a lateral. Não foi preparado para isso, mas ainda pode ser. Tem capacidade apurada de marcação e está melhorando os cruzamentos. Se derem gás pro Fugitivo, pode ser um bom lateral-direito, material escasso no mercado.

**A torcida marcou Thiego. Quando os atletas desceram do ônibus no Olímpico, ele foi o único vaiado. Veja o vídeo

**A galera também desanimou com o perde-ganha danado. Ontem, apenas 13 mil foram ao Monumental (a média do Grêmio, antes, era de 19 mil por jogo). E olha que o dia tava animal e o horário de verão já tinha chegado.

Las buchas

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Palpites da Dupla (errando desde Janeiro de 2009)

Marinho, o enigma dos treinos. Porque não ele como ala? Pelo menos deve saber CENTRAR uma bola n'área!


No domingo o Inter enfrenta o combalido Fluminense no Rio de Janeiro.
No mesmo dia o Grêmio recebe o instável Coritiba na capital gaudéria.
Vamos aos palpites furados do Grenalzito:

No primeiro turno o Inter sapecou 4 a 2 no Fluminense, no Gigante, naquela sequência de jogos tomando dois gols em casa (Barueri, São Paulo e Fluminense). Desde lá, e um pouco antes na verdade, a defesa Colorada nunca mais se acertou. Mário, o Sérgio, pretende escalar um time no mínimo ESTRANHO, pra ficar num adjetivo camarada.

Lauro; Índio, Sorondo e Fabiano Eller; Danny Morais, Sandro, Guiñazu, Andrezinho, D'Alessandro e Kleber; Alecsandro.

4 zagueiros, 2 volantes, 2 meias, 1 lateral e 1 atacante. Danny pela direita, Andrezinho como meia / ala pela direita, Kléber como meia / ala pela esquerda... Tá dando preguiça só de tentar entender esse esquema de jogo!

Como o Fluminense é lanterna e vê as rodadas sumirem e o ano chegando ao fim, é bem possível que essa "armadilha" do Inter funcione nos contra-golpes. Mas empilhar zagueiros e volantes e esvaziar o setor de criação no meio de campo é sempre temerário.

Palpite: 1 a 2 Inter, dando mais (falsa) esperança pra nação vermelha.

--------------------------------------------------------------------------------

Pela banda azul do RS Autuori enfrenta seu pior momento na casamata gremista. Críticas, vaias, desconfiança. Conforme os resultados não aparecem, volta a velha CELEUMA de que falta "pegada" ao estilo de jogo do professor Paulo.

No fundo se os resultados estivessem aparecendo, mesmo que fossem por 1 a 0 jogando pior que o Uruguai contra os comandados d'El D10S, ninguém falaria nada. Cosas del fútbol, compañero (quando se escreve sobre o Grêmio tem que colocar umas palavras em castillo, tá ligado? Eles curtem, sei lá...). No primeiro turno Marcelinho, El Paraíba, fez um golaço no final do primeiro tempo. Acho que o jogo foi 2 a 1 Coritiba, com gol do Ariel pros alviverdes e do Jonas pro Grêmio. Sei que o Coxa ganhou.

Pois Bueno, lá vai o time que vai à CANCHA nesta domingueira:

Victor; Mário Fernandes, Léo, Réver e Lúcio; Túlio, Rochemback, Tcheco e Souza; Perea e Maxi López.

Falso 3-5-2, já que tem um zagueiro pelo lado do campo (Forrest Mário Gump Fernandes) e um volante que também cai por ali (Túlio, longe de ser Maravilha). Não compreendo sacrificar um promissor zagueiro na lateral direita. Quantas assistências ele tem no ano jogando por ali? É inacreditável a dupla Gre-Nal não ter laterais direitos MINIMAMENTE capacitados...
Do meio pra frente é o 2-2 clássico, se Tcheco conseguir atuar como meia, e não como reclamador oficial de arbitragem. E se essa dupla de ataque foi TREINADA durante a semana, pode dar um caldo.

Palpite: 2 a 2, até porque Marcelinho Paraíba vai querer mostrar pra direção gremista que VELHO é a última coisa que ele é.

Um mar azul de volantes e zagueiros. Coitado do Autuori...

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Conformismo

Imagem ilustrtiva da BELA partida de sábado


Mais um empate em casa no Brasileirinhas '09. O QUARTO em casa!

Contra um time retrancado, só fazer "pressão" não adianta. É preciso chutar de longe (o Inter não fez), é preciso ter triangulações no ataque (jogadores isolados nos lados do campo), é preciso TREINAR, é preciso ter ALAS para utilizar três zagueiros...

Por jogos como este é que tu notas a ASPIRAÇÃO de um time em um campeonato de pontos corridos. O Inter está contentíssimo em figurar entre os quatro primeiros e assegurar uma vaga na Copa Libertadores.

Mas o INTER da frase acima são os dirigentes, a comissão técnica (?) e alguns jogadores. O VERDADEIRO Inter, a torcida Colorada, esperava este título mais do que tudo. Com esta "lucidez" vista em campo contra o rubro-negro do Paraná, o caneco fica inatingível.

Estatísticas Coloradas no Brasileiro:

29 jogos (51 gols pró / 36 Contra)

14 Vitórias (Corinthians 0 x 1 Inter; Inter 2 x 0 Palmeiras; Goiás 0 x 1 Inter; Inter 2 x 1 Avaí; Inter 3 x 0 Coritiba; Náutico 0 x 2 Inter; Inter 4 x 2 Fluminense; Inter 3 x 2 Barueri; Inter 3 x 0 Sport; Santo André 0 x 2 Inter; Inter 4 x 0 Goiás; Inter 3 x 0 Atlético MG; Avaí 0 x 2 Inter; Inter 3 x 0 Náutico);

6 Empates (Cruzeiro 1 x 1 Inter; Inter 0 x 0 Vitória, Inter 2 x 2 São Paulo; Santos 3 x 3 Inter; Inter 0 x 0 Flamengo; Inter 1 x 1 Atlético-PR);

9 Derrotas (Flamengo 4 x 0 Inter; Atlético-PR 3 x 2 Inter; Grêmio 2 x 1 Inter; Botafogo 3 x 2 Inter; Inter 1 x 2 Corinthians; Palmeiras 2 x 1 Inter; Inter 2 x 3 Cruzeiro; Vitória 2 x 0 Inter; Coritiba 2 x 0 Inter).

Artilheiros:
Alecsandro – 14
Nilmar – 5
D’alessandro – 4
Taison – 4
Andrezinho – 4

Líderes em assistências:
Kléber – 8
Andrezinho – 6
Giuliano – 5

“Era” Mário Sérgio:

2 Jogos (4 gols pró / 2 gol contra);

1 Vitória ( Inter 3 x 1 Náutico);

1 Empate (Inter 1 x 1 Atlético-PR).

Artilheiros:
Alecsandro – 3
D'alessandro – 1

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

3-6-1?

Uma ROLA desse tamanho pra ti Tite!


Quando eu era feliz e não sabia, meu velho tinha uma FITA do Supertramp (K7 mesmo magnata!). Eu achava aquele som doidaço! Só que mesmo com o nome da banda DECALCADO na parte superior da capa da fitinha - uma das capas de disco mais fodas que eu já vi -, toda vez que eu ouvia, achava que era RUSH! Talvez pela voz, sei lá...

Na quarta o Inter jogou com o marginalizado e pisoteado 3-6-1. Juro! Por mais que olhando atentamente as peças estivessem dispostas num 3-5-2 torto, aquilo era todo 3-6-1! Como eu já tinha a experiência do "achava que era Rush mas era Supertramp", Mário Sérgio não me enganou com sua vesguice.

Outra coisa que não engana foi o resultado. 3 a 1 com teu goleiro sendo o melhor em campo é completamente enganoso. D'ale foi o melhor em campo OFICIALMENTE, já que fez de tudo: assistência, lançamento, gol, chamou o jogo, deu carrinho, reclamou, fez o jogo rodar, errou passes (já que a bola esteve sempre no seu pé nas ações ofensivas do time). Um legítimo 10, coisa que com Tite ele não era há tempos... Mas Lauro salvou o que poderia ser um desastre de proporções inimagináveis.

Andrezinho e D'ale eram os "meias que chegam" no esquema do Mário. Kléber jogou como meia a maior parte do tempo, com Danilo fechando o setor quase como um segundo volante. Glaydson foi incrivelmente bem e Guina jogou mais solto ofensivamente (tanto que a assistência pro primeiro gol foi dele). A zaga foi a coisa mal posicionada de sempre... Ah, e Alecsandro fez dois, mas perdeu uns 5! Não adianta, é do tipo de centroavante que nunca vai me convencer.

"Vê se tu não me passa do meio campo!"


Mesmo com tudo isso, o ÂNIMO da gurizada foi outro! A correria, a disposição, a antiburocracia! Não é nenhum exagero dizer que o Inter pode ganhar os próximos três jogos. Senão vejamos: Atlético-PR em casa amanhã; O lanterna Fluminense no Maracanã; e o clássico no Gigante! Três jogos plenamente ganháveis, tendo em vista que em clássico qualquer coisa pode acontecer (inclusive nada).

Mas com 3-6-1 tudo se complica. Treina esse time Mário Sérgio!

Estatísticas Coloradas no Brasileiro:
28 jogos (50 gols pró / 35 Contra)

14 Vitórias (Corinthians 0 x 1 Inter; Inter 2 x 0 Palmeiras; Goiás 0 x 1 Inter; Inter 2 x 1 Avaí; Inter 3 x 0 Coritiba; Náutico 0 x 2 Inter; Inter 4 x 2 Fluminense; Inter 3 x 2 Barueri; Inter 3 x 0 Sport; Santo André 0 x 2 Inter; Inter 4 x 0 Goiás; Inter 3 x 0 Atlético MG; Avaí 0 x 2 Inter; Inter 3 x 0 Náutico);

5 Empates (Cruzeiro 1 x 1 Inter; Inter 0 x 0 Vitória, Inter 2 x 2 São Paulo; Santos 3 x 3 Inter; Inter 0 x 0 Flamengo);

9 Derrotas (Flamengo 4 x 0 Inter; Atlético-PR 3 x 2 Inter; Grêmio 2 x 1 Inter; Botafogo 3 x 2 Inter; Inter 1 x 2 Corinthians; Palmeiras 2 x 1 Inter; Inter 2 x 3 Cruzeiro; Vitória 2 x 0 Inter; Coritiba 2 x 0 Inter).

Gols:
Alecsandro – 13
Nilmar – 5
D’alessandro – 4
Taison – 4
Andrezinho – 4
Bolaños – 3
Giuliano – 3
Sorondo – 2
Edu – 2
Magrão – 2
Danny Morais – 1
Talles Cunha – 1
Leandrão – 1
Sandro – 1
Marquinhos – 1
Guiñazú – 1
Kléber – 1
Fabiano Eller – 1

Assistências:
Kléber – 8
Andrezinho – 6
Giuliano – 5
Taison – 2
Alecsandro – 2
Guiñazú – 2
D’alessandro – 2
Marcelo Cordeiro – 1
Magrão – 1
Marquinhos – 1
Edu – 1
Danilo Silva – 1
Índio – 1



PS.: Dos 8 primeiros colocados do Brasileirão, só o INTER venceu nesta rodada! Que coisa heinhô?

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Sexo na cabeça

Sei que a nova enquete postada aí ao lado não é lá tão original. Mas é que tava caindo de madura, não tive como não fazê-la.

Lembrando que tem um QUIZ no post abaixo, aproveito este textículo para dar o resultado final da enquete passada, que perguntava sobre seu tempo e seus pensamentos diários.

Com 50% (13 votos) ganhou o SEXO como assunto principal na cabeça de nossos sagrados leitores. O FUTEBOL, tema principal do Grenalzito, ficou apenas em 3º lugar, com 19% dos votos. Em 2º ficou o DINHEIRO, com 23%.

ESTUDO e TRABALHO tiveram apenas 1 voto cada. Eita nóis!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

QUIZitos

Thiago e Nando Gross. O reitor e o coordenador, respectivamente

Vocês já devem saber que o Grenalzito tá me pagando um curso sobre futebol, negócios do futebol e jornalismo esportivo em Porto Alegre. Por isso, e só por isso, rolaram duas coberturas in loco nas duas últimas semanas.

O curso é na Perestroika, escola mucho loca na tal rua Furriel não sei das quantas, perto do entroncamento entre Nilo Peçanha e Carlos Gomes, pertíssimo da onde a ex-primeira dama morava, onde passei dias memoráveis, um lugar bonito, arborizado, num bairro nobre, que cheira bem, especial. Ao menos pra mim e que nem interessa pra vocês, mas vou deixar aí, registrado.

Porém, cabrón, o que vale mesmo é que nas duas primeiras aulas foram feitos QUIZes. Eu acertei 7 na primeira e 5 na segunda. Somando, fiquei na média da universidade que cursei. To passando. Mas tenho que melhorar.

E aí pensei: por que não lançar o QUIZ da Perestroika no Grenalzito? Queria que tu, freqüentador desta bagaça, desse teus chutes. Mas vamos nos combinar, não vale pesquisar no Google ou em qualquer outro lugar. Tem que ser chute de primeira, fechado? Se não, nem responda.

Aí vai um misto das duas primeiras "provas":

1 – Quem foi o artilheiro da Copa de 2002?
a) Ronaldo (Brasil)
b) Zidane (França)
c) Klose (Alemanha)

2 – A Copa do Mundo de Futebol Feminino começou a ser disputada em 1991. Desde lá é realizada de 4 em 4 anos e sua última edição foi em 2007, na China. Qual país saiu vencedor?
a) Brasil
b) Estados Unidos
c) Alemanha

3 – Cite dois patrocinadores da Fifa:
a) Nike e Pepsi
b) Adidas e Coca Cola
c) Mastercard e GM

4 – Na Copa de 70 um jogador marcou gol em todas as partidas. Quem foi?
a) Pelé
b) Tostão
c) Jairzinho

5 – Quantas são as regras do futebol?
a) 17
b) 15
c) 19

6 – Quem era o capitão da Seleção Brasileira campeã em 1958?
a) Belini
b) Nilton Santos
c) Mauro

7 – A primeira Copa do Mundo, em 1930, teve a participação de apenas 13 países. Quantos e quais europeus estavam presentes?
a) 5 – Inglaterra, Espanha, Itália, Alemanha e Iuguslávia
b) 4 – Bélgica, França, Romêmia e Iuguslávia
c) 6 – Alemanha, Itália, Bulgária, Holanda, Inglaterra e França

É ilso!

Deu pra ti, Tite

De pala vermelho, com 44 pontos e em 5º lugar, Duca Leindecker.
De pala azul, com 40 pontos e em 7º lugar, Humberto Gessinger.


De domingo pra hoje muitas coisas aconteceram na Padre Cacique. Na segunda-feira pela manhã Tite não era mais o treinador colorado. Festa, alegria nos corações vermelhos, lágrimas podiam ser vistas nos olhos de cada torcedor esperançoso em dias melhores! Mas a sensação de euforia era a mesma na ocasião do impeachment do Caçador de Marajás: tá, e agora, quem entra?

Na segunda de tarde a notícia quase bizarra: Mário Sérgio, o vesgo, campeão brasileiro invicto de 79 pelo Inter como jogador e treinador de currículo apenas mediano, era efetivado no cargo de comandante da casamata vermelha! Até dezembro deste 2009, com o objetivo de movimentar o vestiário e o futebol do Inter. Para 2010 o "planejamento" é trazer Vanderlei, O Luxemburgo.
É difícil cobrar coerência no atual momento da direção do Inter, mas se fosse pra apostar num nome como Mário Sérgio, que trouxessem o Carpegiani!

Nosso treinador-tapa-buraco é o último agachado, ao lado do Batista.


Sobre o jogo de domingo:
Num devaneio de pensamento mágico e egocentrismo, achei que o problema do Inter fosse eu! Como no jogo contra o Coritiba no primeiro turno (3 a 0 todos gols do Bolaños!), fui fazer outra coisa da vida.

Neste domingo 4 de outubro estava vendo uns caras lá da terrinha, num show pra relembrar. Vários gaúchos infiltrados na platéia do teatro da Universidade Federal de SC, em Florianópolis, cantaram do início ao fim os sucessos de outrora dos jovens senhores no palco.

Com o clima favorável propiciado pelo momento musical do dia, no caminho de volta o rádio do carro anuncia que... o Inter perdeu mais uma!

Acho que o problema não era eu. Veremos se era apenas o Tite...

Campanha "Titêsca" em 2009:

66 Jogos (139 gols pró / 67 gols contra);

11 Empates (Inter 0 x 0 Santa Cruz; Ypiranga 0 x 0 Inter; Juventude 3 x 3 Inter; Flamengo 0 x 0 Inter; Cruzeiro 1 x 1 Inter; Inter 0 x 0 Vitória; Inter 2 x 2 Corinthians, Inter 2 x 2 São Paulo; Santos 3 x 3 Inter; Inter 1 x 1 Universidad de Chile; Inter 0 x 0 Flamengo);

16 Derrotas (União Rondonópolis 1 x 0 Inter; Figueirense 3 x 1 Inter; Coritiba 1 x 0 Inter; Corinthians 2 x 0 Inter, Flamengo 4 x 0 Inter; Inter 0 x 1 LDU; LDU 3 x 0 Inter; Atlético-PR 3 x 2 Inter; Grêmio 2 x 1 Inter, Botafogo 3 x 2 Inter; Inter 1 x 2 Corinthians; Palmeiras 2 x 1 Inter; Inter 2 x 3 Cruzeiro; Vitória 2 x 0 Inter; Universidad de Chile 1 x 0 Inter; Coritiba 2 x 0 Inter);

39 Vitórias (São José 1 x 3 Inter; São Luiz 0 x 1 Inter; Inter 4 x 0 Sapucaiense; Inter 4 x 1 Ulbra; Grêmio 1 x 2 Inter; Inter 5 x 1 Caxias; Inter 2 x 1 Ulbra; Inter 2 x 0 Novo Hamburgo; Inter 2 x 1 Grêmio; Inter 2 x 0 União Rondonópolis; Inter 4 x 0 Veranópolis; Brasil de Pelotas 0 x 7 Inter; Inter 1 x 0 Inter-SM; Inter 4 x 1 Novo Hamburgo; Esportivo 2 x 6 Inter; Inter 3 x 0 Avenida; Inter 2 x 1 Grêmio; Guarani 1 x 2 Inter; Inter 4 x 0 Ulbra; Inter 8 x 1 Caxias; Inter 5 x 0 Guarani; Náutico 0 x 3 Inter; Inter 2 x 0 Náutico; Corinthians 0 x 1 Inter; Inter 2 x 1 Flamengo; Inter 2 x 0 Palmeiras; Goiás 0 x 1 Inter; Inter 3 x 1 Coritiba; Inter 2 x 1 Avaí; Inter 3 x 0 Coritiba; Náutico 0 x 2 Inter; Inter 4 x 2 Fluminense; Inter 3 x 2 Barueri; Oita Trinita 1 x 2 Inter; Inter 3 x 0 Sport; Santo André 0 x 2 Inter; Inter 4 x 0 Goiás; Inter 3 x 0 Atlético-MG; Avaí 0 x 2 Inter).

Ps.: Pelo menos agora vai dar pra ouvir as coletivas pós-jogo sem tentar cometer suicídio a cada "equilíbrio" ou "sincronia de movimentos"!

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Tarde injusta


Já tão dizendo que EU carrego a MAUdição (trocadilho infame do Felipe para com a minha pessoa) do pé-frio só porque cobri três jogos pelo Grenalzito e não ganhei nenhum até agora.

ISSO NÃO é verdade.

A verdade é que o time NÃO ganha quando NÃO joga (beleza, às vezes até acontece). Mas o Grêmio não jogou ontem, no Olímpico, contra o Sport, sob meus olhares.

Logo ontem, quando praticamente madruguei no Monumental porque queria sentir todo um domingo de Grêmio. Almocei por ali, na volta, depois tentei me enturmar, apesar da indiada um tanto arredia e fui curtindo, vendo cada detalhe, cada gremistinha linda passeando de manto tricolor, cabelos ao vento, cintilantes como o sol que pairava sobre Porto Alegre.



No Preliminar, o barzão que esquenta a Geral e outros transeuntes tricolores, troquei uma ideia com o sósia oficial do Alex Mineiro. Careca, olhos fundos, fala mansa e mais de 30 anos. Era tão parecido que tentei arrancar a resposta dele, do porque jogara bem em anos anteriores, e há pouco, no Tricolor, não fizera nada.

Ele não sabia me responder exatamente. No fim, admitiu má vontade.

Desejei-lhe sorte e rumei para as arquibancadas inferiores do Olímpico meia-hora depois dos portões abrirem. Entrei esperançoso e confiante. Tinha certeza que o Grêmio não teria dificuldades para golear o Sport.

Só que nos primeiros 5 minutos de jogo deu pra perceber que as coisas não iam bem. Fazia muito calor em Porto Alegre, o sol queimava a grama e a impressão que passavam os jogadores do Grêmio é que todos desejavam estar em seus apartamentos climatizados.

Corriam pouco, davam poucas opções pra quem conduzia a bola. As exceções foram Maxi e Jonas, que buscaram a redonda no jogo todo.

Mário, um dos melhores zagueiros surgidos no Grêmio nos últimos tempos, teve tarde infeliz. Posicionou-se mal, quando teve a chance de avançar não foi, errou na saída de bola e cansou fácil. E por ali o Sport investiu e chegou com perigo.

Em pé na arquibancada, vi a Geral ainda cantante e pulsante, porém minguada. Via a tal Velha Guarda (foto lá em cima), do lado oposto, mais argentina ainda, pequeña, mas copera e alentadora.
E dentro de campo, o time do Grêmio sonolento, desatento, não se importando com os 19 mil pagantes que o rodeava.

Então começaram as vaias, primeiro para Tcheco e Autuori, depois para Autuori e Thiego, no fim para todo o time. Até eu vaiei no final. Achei injusto um time caminhar em campo com tanta gente querendo e pagando para vê-lo correr. Me senti lesado, apesar de ter desfrutado por três vezes a emoção inigualável de comemorar um gol dentro do estádio. A hora tu enxergas a pelota morrendo na rede, o jogador do teu time correndo euforicamente com os braços levantados, o juiz apontando pro centro do gramado, o bandeira correndo naquela direção, a Geral fazendo a avalanche e teu berro saindo da garganta, parece que tu finalmente chegaste no céu.

O brabo é que o empate no fim deixa um gosto azedo e aquele velho sentimento de que a Libertadores do ano que vem será para assistirmos e não jogarmos. Ainda dá pra classificar, mas se os outros times jogam bem e ganham e o Grêmio joga mal e perde, a perspectiva não tem como ser animadora.

Olha que momento. Pena que Tchequito Maestro errou o canto. Ou seria Magrão que teria acertado?