segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Ô Juca, ô Juca?!


Juca Kfouri entra no pomposo Teatro Carlos Gomes, em Blumenau, vestido como se fosse ao Pacaembu assistir Corinthians X Mogi Mirim pelo Paulistão: calça jeans, tênis e uma camisa pólo preta nitidamente bastante usada. Está lá para palestrar a aproximadamente 150 pessoas que sentaram para ouví-lo falar sobre Dunga versus Fátima Bernardes, Neymar, Copa do Mundo, Olimpíadas, gestão esportiva e outros assuntos ligados ao esporte e a política. Era quinta-feira, 30 de setembro, quatro dias antes do primeiro turno das eleições presidenciais no Brasil, país que, segundo ele, nunca teve uma política esportiva em 510 anos.
A seguir, os melhores momentos dos aproximados 90 minutos em que este jornalista de 60 anos - 40 de profissão - falou, insinuou e bradou contra os que travam o crescimento do esporte brasileiro.

Primeiro o blá, blá, blá...

Eeeeu? Magiiina!

Jogar bonito ou ganhar?
"O que você prefere: ganhar jogando feio, ou perder jogando bonito? Eu respondo que prefiro ganhar jogando bonito. Já vi a Seleção ganhar jogando bonito nas Copas de 58 e 70, e já vi a Seleção ganhar jogando feio na Copa de 94. E vi perder jogando feio agora, na África do Sul. É possível dar espetáculo e ganhar. E, se só vale o resultado, por que vou ver (o jogo)?"

Dunga, o mal educado
"Quero deixar bem claro: eu não considero o Dunga um fracassado. Ele é que se considera. A Seleção perdeu (para a Holanda, na Copa 2010) porque tomou um susto. De repente o melhor goleiro do mundo sai mal do gol e Felipe Melo faz um gol contra. Dunga olhava pro banco e perguntava pro Jorginho: e agora? Júlio Baptista, Josué, Grafite. Cadê o Pato? Cadê o Ganso? Não estavam por teimosia do técnico.
Mas ele fez uma coisa certa. Não favoreceu nenhum veículo de imprensa. Tratou indiscriminavelmente mau a todos. Teve a coragem de não permitir privilégios a ninguém, o que é bom. Outra coisa é ser mal educado, como foi com o Escobar (repórter e apresentador da Rede Globo) e com a Fátima Bernardes (apresentadora do Jornal Nacional)."

Missa ou farra?
"Na Copa de 70, a delegação brasileira foi chefiada pelo brigadeiro Jerônimo Bastos, designado pelo governo brasileiro, do general Emílio Garrastazu Médice, em plena ditadura. Pelé, Rei do Futebol, autor de mais de mil gols já então, conta que saía da concentração na caminhonete de roupa suja. O Felipão, na Ásia, combinou com os jogadores como seria. A ponto de Roberto Carlos, que esteve em 2002 e em 2006, dizer que a festa foi muito maior em 2002. E eles foram campeões. Nem um nem outro." "Uma copa não se ganha nem na farra nem na missa" - título da palestra apresentada naquela quinta-feira.

Depois o cascalho...

O Curíntia vai ser campeão da Libertadores ano que vem

"Há muita hipocrisia", brada Juca Kfouri sobre o caso Neymar. "Punição a esse moleque, o Neymar!", continua, sarcástico, antes de arrematar. "Mas que não teve infância, que desde os 13 anos vem sendo preparado para ser jogador de futebol, para ser o melhor do Brasil. E a gente o quer sob prisão perpétua. Mas o filho da gente, não queremos preso, punido. Não sei como seria se pegasse meu filho de 19 anos, colocasse pra jogar bola no Corínthians, ele virasse ídolo, passasse a ganhar R$ 350 mil por mês. Isso que ele sempre fez as três refeições diárias, estudou nos melhores colégios.

Imagina o Neymar. Imagina o Adriano. Não estou justificando, estou querendo mostrar que vivemos numa situação tal que nossos clubes pagam R$ 350 mil para um moleque que saiu da favela, do cortiço, e não paga um psicólogo pra cuidar desse jogador. Esse é o futebol que nós temos. Talentosíssimo, melhor do mundo, mas inteiramente amador do ponto de vista da gestão. País sede da Copa do Mundo em 2014. E das Olimpíadas, em 2016.

As Olimpíadas estão chegando
"Acabamos de fazer os Jogos Pan-americanos, no Rio, em 2007. Estavam orçados em R$ 400 milhões. Custaram R$ 4 bilhões. O Tribunal de Contas da União (TCU), em seu relatório, disse que realmente houve superfaturamento, falta de licitação, obras feitas em regime de urgência sem serem de urgência justificável, e a desculpa para não penalizar o comitê organizador é porque há muito tempo o Brasil não sediava um evento daquele porte, e as falhas foram por inexperiência. Engraçado é que as mesmas pessoas agora vão fazer a Copa do Mundo e as Olimpíadas.

Vocês se lembram que os legados do Pan no Rio seriam a despoluição da Lagoa Rodrigo de Freitas, da Bahia de Guanabara e uma nova linha de metrô. Se uma destas três coisas tivessem ficado de legado, apesar do orçamento estourado dez vezes, estaria legal. Só que nada disso aconteceu. Pior, ficaram os elefantes brancos.

O estádio de futebol, o Engenhão, que é o mais moderno do Brasil (inaugurado em 2007) sequer é cogitado para a Copa do Mundo de 2014. O Parque Aquático Maria Lenk, descobriu-se agora, não atende as exigências de capacidade de público do Comitê Olímpico Internacional e, portanto, será usado apenas para o aquecimento dos atletas nas Olimpíadas de 2016.

Vamos receber as Olimpíadas aqui a troco de quê? Das nossas brilhantes participações em anos anteriores? Dos nossos Guga's produzidos a 3x4? Cielo's a 3x4 por causa da política de natação? O Brasil tem 510 anos de idade e nunca teve uma política esportiva, embora esteja em nossa constituição que é dever do Estado prover a população e é direito do cidadão ter acesso ao esporte. A última coisa que se fala é em democratização ao acesso à área esportiva. E olha que a Organização Mundial da Saúde tem uma estatística que mostra que cada dólar investido em esporte economiza três na saúde.

Um país do tamanho do Brasil, com a população que tem, colheria qualidade da quantidade. A qualidade você põe na mão da iniciativa privada que ela cuida, melhor que o Estado. Não é função do Estado fazer campeões.

Copa 2014 com cara de Brasil ou de Alemanha?

Ricky Teixeira é um mumuzinho de pessoa

"Vamos lembrar. Copa do Mundo na França, em 1998: ergueu-se apenas um estádio. Quatro anos antes, no país mais poderoso do mundo, os Estados Unidos, não construíram um estádio, adaptaram os de futebol americano e baseball para o "soccer". Nós estamos falando em fazer arenas.

O comitê organizador da Copa na França era presidido por um ex-jogador, Michel Platini. Na Copa da Alemanha, o comitê era presidido por um ex-jogador de futebol: Franz Beckenbauer. Como aqui não temos nenhum jogador de grande nome, nenhum craque, o presidente do comitê é também o presidente da CBF: senhor Ricardo Teixeira. E a secretária executiva desse comitê é a dona Joana Havelange (filha de Teixeira, neta de João Havelange).

Esse presidente do Comitê, dez anos atrás saiu com 17 indiciamentos de uma CPI em Brasília. E, por birra, nos faz engolir que o Morumbi não pode receber a Copa do Mundo.

Há 50 anos o estádio recebe jogos de nível internacional. Foi palco de decisões da Libertadores, de inúmeros jogos da Seleção Brasileira, do Mundial de Clubes da Fifa. Agora não pode mais receber um evento de um mês. Cinco jogos. São Paulo precisa de uma nova arena: o "Fielzão".

O presidente já disse que o "Fielzão" vai custar R$ 350 milhões. Curiosamente, a nova Fonte Nova - estádio em Salvador -, que será construída no lugar onde estava a velha, custará R$ 580 milhões. Gozado também que é a mesma empreiteira que vai fazer os dois. Mais gozado ainda é que a reforma do Maracanã está orçada em R$ 1 bilhão, pela mesma empreiteira.

Estamos fazendo estádio novo em Cuiabá (MT), onde não tem um time importante no futebol brasileiro. Mas Florianópolis está fora da Copa. Vamos ter estádio em Brasília, onde não tem tradição em futebol profissional. Teremos um Manaus, onde também não tem futebol profissional. Estádios para três ou quatro jogos.

O Morumbi não é um estádio ideal? Não, não é. Mas não estamos em condições de brigar por estádio ideal. Temos que brigar pelo ideal nas estradas, nos aeroportos, na rede hospitalar, rede hoteleira. Podemos fazer uma Copa do Mundo no Brasil, mas a Copa do Mundo do Brasil, não da Alemanha.

3 comentários:

MARCELO SILVA disse...

Cara, levei um susto com o comentário no meu recém-criado blog hahaha Mas foi coincidência. Tava programando aqui pra amanhã falar sobre esse teu post sobre a palestra do Juca. Eu também gravei a palestra, mas acho que já passou um pouco do tempo. Vou citar esse teu post, com link para o Grenalzito. Valeu!

Felipe Conti disse...

Bah, ducaralho o post maluco!

O Juca ("ôÔÔôôÔ Juca..." - CALAZANX, Fernando) é um cara contraditório, de personalidade marcante... mas transmite ideias e conceitos complexos de maneira simples.

Acho que isso, além do seu posicionamento político diante do esporte, é o que eu mais admiro nele. Coisas que sociólogos demoram um livro para afirmar, ele diz numa frase de efeito.

Assino embaixo do que ele disse do Adriano, do Neymar, do Pan, das Olímpiadas, da Copa...

Mas com certeza o melhor do post são as legendas!!! "Ricky Teixeira é um mumuzinho de pessoa" HAHAHHAHAHAHAHAHA

Equipe Grenalzito S/A disse...

Ae Marcelo "Palmeirense", hehehe, comentei lá no teu blog!

Abraço e apareça,
Felipe.